Love and Other Drugs

Posted on fevereiro 3, 2011

2


Love and other Drugs

Jump to english

Você conhece milhares de pessoas e nenhuma te toca. Aí você conhece uma delas e ela muda sua vida.

(Contém pequenos spoilers) Sim, a citação acima é sobre pessoas, mas eu poderia dizer quase a mesma coisa sobre filmes. Claro, poucos filmes realmente mudam a sua vida, mas eu sempre achei interessante como alguns filmes, as vezes até mesmo filmes muito bons, não mexem nem um pouco comigo, e outros filmes, que as vezes são cheios de falhas, podem me marcar, de verdade.

Amor e Outras Drogas (em cartaz nesse momento) é um desses filmes com algumas falhas, mas que eu provavelmente vou lembrar pra sempre. Sim, o filme acaba caindo em alguns clichês, e alguns personagens poderiam ter sido eliminados, mas o que fez o filme funcionar pra mim foi o relacionamento de Jamie e Maggie, brilhantemente interpretados por Jake Gyllenhaal e Anne Hathaway. E apesar de eu ser super fã da Anne desde O Diário da Princesa, eu sempre achei que o Jake era meio… Vazio, sabe? E por mais que isso funcionasse pra alguns personagens, como em Donnie Darko, eu me surpreendi com a performance dele nesse filme, onde ele tinha que ser totalmente carismático, desde a primeira cena do filme.

Maggie

Mas como eu disse, a essência do filme é o relacionamento dos dois, e todas as pequenas coisas que fazem tudo parecer tão real. Eu sempre tenho dificuldades pra me envolver com romances em filmes, mas aqui tudo fluiu tão naturalmente… O filme conseguiu lidar muito bem com a parte do Parkinson. Não trivializou a doença, e mostrou um lado bem feio e doloroso, mas ao mesmo tempo não explorou o assunto apenas para conseguir lágrimas baratas da audiência.  A doença foi tratada como um fato da vida, e eu achei interessante ver como os dois lidaram com ela de maneiras diferentes.

E além do retrato vívido e verdadeiro de uma relação, o filme também nos mostra um pouco dos bastidores da indústria farmacêutica, e apesar desse não ser um assunto particularmente interessante pra mim, essa parte da história é retratada de um jeito tão alegre e quase juvenil, que é difícil não vibrar quando o Viagra é lançado, por exemplo.

Jamie

Mas, por mais que eu tenha amado o filme, não posso deixar de falar da parte mais irritante: o irmão do Jamie! O personagem parece ter caído de para-quedas na história, provavelmente vindo de um filme bem diferente. Todo o humor ao redor dele é exagerado, e isso inclui a piadinha bem cansada sobre tomar um Viagra e não conseguir acabar com a ereção.

A reação da audiência americana não foi muito positiva pra esse filme, e sinceramente isso me surpreende um pouco. Algumas pessoas reclamaram que o filme tem muita nudez, e eu geralmente sou uma das primeiras a reclamar de nudez gratuita, mas nesse filme eu achei que a nudez serviu a história, e acontece de forma bem normal, afinal casais ficam nus, né! Eu também acho que as mudanças de tom ao longo do filme podem ter confundido algumas pessoas, mas pra mim fez o filme parecer mais real, afinal a vida é assim. As vezes é engraçada, as vezes triste, as vezes frustrante, e de repente, emocionante…

No fim, eu não nego que o filme tem suas falhas, e talvez elas acabem com o filme pra você, mas pra mim foi uma ótima experiência fílmica. E se você, como eu, gosta dos atores e não tem medo do lado mais complicado e nem tão bonito das relações humanas, talvez esse seja um filme maravilhoso pra você também. Trailer do filme:

—{—}—

You meet thousands of people and none of them really touch you. And then you meet that one person and your life is changed.

(Mild spoilers ahead) Yes, the quote above is about people, but I could say the same things about movies. I mean sure, very few movies actually change your life, but I have always found interesting how some movies, some very good movies, can leave me totally untouched, and then other movies, sometimes even flawed movies, can really touch me.

Love and Other Drugs is one of these flawed films that really moved me. Yes, it is a bit clichéd, and some characthers could’ve been written off, but what made this movie really work for me was the relationship between Jamie and Maggie, brilliantly played by Jake Gyllenhaal and Anne Hathaway. And even though I have been a fan of Miss Hathaway since Princess Diaries, I always thought that Jake was a bit… How can I put this… Empty, you know? A little blank. And even though that worked for him in some movies, like Donnie Darko, I was really blown away by his performance on this movie, where he had to be a bit more charismatic, and he totally pulled off, from the very first scene in the movie.

Maggie

But like I said, the real star of this movie is their relationship, and all the tiny little things that make the whole thing seem so real. I always have a hard time buying into romance in movies, but here everything felt so natural, and so normal. I really thought that the movie dealt with Parkinson’s disease very well, and did not shy away from some ugly truths, that could’ve been glossed over in lesser movies. And I also didn’t feel like they used the disease to get some cheap emotional reaction, but instead handled it in a very blunt, matter-of-factly way.

And on top of the very raw and real relationship stuff, we still have a look at the behind the scenes of the pharmaceutical industry, which is not pretty sight, off course, but it’s shot in such a sleek and joyful way, that it hard not to feel excited when Viagra is finally released.

Jamie

Now, for the thing I didn’t like. Jamie’s brother totally belongs in another movie. Seriously! not only did they not looked one bit like they could be brothers, but the humor surrounding him was way too broad, and that includes the cheap, very, very, very done joke about taking viagra and having an erection for hours.

The reaction to this movie has not been very positive, and I’m a bit puzzled by that. Some people complain that there’s just way to much nudity, and honestly, most of the time I am one of these people complaining about unnecessary nudity in film, but here I thought that every moment was earned, and it just felt like they were a real couple, who you know, gets nude! Also I guess the shift in tone throughout the movie might have confused some people, but I also believe that this added realism to movie, because this is how life is! Sometimes it’s funny, sometimes sad, sometimes frustrating and then exhilarating…

In the end the movie does has it’s flaws, and those might ruin the entire thing for you, but for me it was a very worthwhile filmic experience. And if you like the actors and is not afraid of the not so pretty side of human relationships it might be an awesome film for you too. A teaser for the movie:

Posted in: Film