Friday At The Movies: The Descendants, The Girl With The Dragon Tattoo, We Need To Talk About Kevin, The Adventures Of Tintin and Breaking Dawn

Posted on março 23, 2012

0


fatm-7

Jump to english

Na verdade eu assisti esses filmes a um milhão de anos atrás, mas acabei não traduzindo o post pra português e por isso ficou no limbo por bastante tempo. Mas finalmente ele viu a luz! E bem a tempo pra uma semana onde não vi filme algum. Como sempre, pequenos spoilers a seguir.

The DescendantsOs Descendentes

Roteiristas:  Alexander Payne, Nat Faxon, e Jim Rash
Diretor: Alexander Payne 
Elenco:  George Clooney, Shailene Woodley e Amara Miller
Sinopse: Um proprietário de terras tenta se reconectar com suas
filhas depois de sua mulher sofrer m acidente de barco.

Eu me sinto meia estranha em relação a esse aqui, e nem sei o porque! Acho que eu estava esperando algo diferente. Não sei nem direito o que, mas algo diferente. Então no início do filme estava meio desapontada, eu não conseguia entender o porque do filme, saca? Mas esse é um daqueles que vai comendo pelas beiradas e quando você menos espera já está chorando que nem um bebêzinho.

De uma certa forma esse filme é exatamente o oposto de 2 Coelhos, já que é um dos filmes mais discretos, em termos visuais, que eu vi esse ano, apesar de ser filmado no Havaí. O clima é bem relax e o enredo é simples, e mesmo assim a coisa simplesmente funciona. E uma grande parte disso é com certeza o elenco. Todo mundo está muito bem nesse filme, e as interpretações são tão autênticas que é quase impossível não se ver envolvido nos problemas e vidas desses personagens. George Clooney está ótimo como sempre, e a sua performance aqui me surpreendeu já que não estou acostumada a essa versão sem charme de Clooney.

Shailene Woodley também é ótima, e com certeza a revelação desse filme. Eu não gostei muito dela em A Vida Secreta De Uma Adolescente Americana, mas acho que com um roteiro ruim daquele não dá pra fazer nenhum milagre. Aqui ela está muito melhor (e com uma boca muito mais suja também)  e interpreta uma adolescente que parece real, sem afetações hollywoodianas, e sem ser irritante por motivo algum.

Eu também tive uma experiência interessante no cinema onde assisti esse filme. As pessoas estavam rindo muito (pelo menos bem mais do que eu), e em alguns momentos até gritando algumas coisas. Me pareceu meio estranho as pessoas reagirem tanto a um filme tão relax, mas talvez eu só estivesse em uma sala animada.

The Girl with the Dragon Tattoo Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres

Roteiristas:  Steven Zaillian
Diretor: David Fincher
Elenco:  Daniel Craig, Rooney Mara e Christopher Plummer
Sinopse: O jornalista Mikael Blomkvist busca uma mulher desaparecida a
40 anos, e é ajudado por Lisbeth Salander, uma jovem hacker.

Eu tinha expectativas bem altas pra esse filme, especialmente depois de A Rede Social, e todas as fotos e teasers lançados no ano passado. O filme até alçançou essa expectativas no aspecto visual, mas o roteiro eu achei meio fraco em alguns sentidos. Não dá pra ter o Aaron Sorking escrevendo todos os filmes né? Eu sei que muitos dos problemas vem do livro, então muitas coisas teriam que ser mudadas pra fazer esse filme ser ótimo, e tenho certeza que muitos fãs ficariam chateados, mas bem que eu queria que o Fincher tivesse feito isso.

Porque a única parte perfeita desse filme é a Lisbeth Salander, e eu queria que o filme fosse mais sobre ela, e não sobre um assassinato meio genérico. e isso vindo de uma pessoa que leu todos os livros da Agatha Christie existentes na biblioteca do meu colégio (e mais todos que achei nos sebos da vida). A história do assassinato é ok, mas não é nada de ovo e a investigação não é lá muito empolgante. Bem que o Daniel Craig tenta fazer de tudo para que Mikael Blomkvist seja interessante, e até consegue em alguns momentos, mas ele tem que tirar leite de pedra nesse filme. O relacionamento entre os dois é outra oportunidade perdida. Porque fazer com que aconteça de forma tão indiferente e praticamente do nada? O fato de ser tão indefinida faz com que o final do filme não seja tão forte quanto poderia.

Mas ainda acho que vale a pena ver o filme, não só pela diereção maravilhosa, mas também por cenas muito boas da Rooney Mara. Ela realmente toma conta do filme e o carrega sem esforço algum. Toda vez que ela está na tela você consegue sentir ao mesmo tempo a tensão e a vulnerabilidade, ela consegue ser frágil e “bad-ass” sem parecer contraditório ou forçado. eu também tenho que avisar que esse filme tem algumas cenas bem difíceis de serem assistidas, não é rpa quem tem estômago fraco. Eu só queria que eles tivessem falado um pouco mais dos problemas mentais da Lisbeth e de como ela foi criada, já que alguns paralelos interessantes poderiam ter sido criados entre a Lisbeth e a vítima do assassinato. Como existe a promessa de mais filmes nessa franquia, eu  espero que eles façam um trabalho melhor no próximo porque esse aqui é só um filme ok com uma ótima personagem principal.

We Need To Talk About KevinPrecisamos Falar Sobre O Kevin

Roteiristas:  Lynne Ramsay e Rory Kinnear
Diretor: Lynne Ramsay
Elenco:  Tilda Swinton, John C. Reilly e Ezra Miller
Sinopse: A mãe de um adolescente que matou vários estudantes de sua
escola tenta lidar com seu luto, e sentimentos de responsabilidade
pelas ações de seu filho.

Esse aqui foi outra decepção. Acho que estou começando a ver um tema nesse post! O problema é que esse filme está tentando se vender como m estudo de personagem quando na verdade é realmente um filme de terror. Porque esse é realmente o único jeito que posso categorizar esse filme. bem que eu queria que fosse um estudo sobre como uma mãe reagiria se seu filho fosse um assassino, porque ele se tornou o que é, esse tipo de coisa, mas o filme simplesmente resolve a questão do jeito mais fácil possível: Ele é mau! Aparentemente ele é o filho do diabo desde o primeiro dia da sua vida, manipulando os pais e fazendo a vida da sua mãe um inferno antes mesmo de comer comida sólida.

Pra não ser injusta tenho que mencionar que até tem alguns momentos onde é implicado que o personagem da Tilda Swinton não é a melhor das mães, e que ela tenha um pouco de culpa, mas o Kevin é tão mau, o tempo todo, que não dá pra achar que isso se passa na vida real. Os atores até tentam fazer com que essa pessoas tenham alguma semelhança com a realidade, e eu gostei de todas as performances, sem exceção, mas o roteiro simplesmente não faz o necessário.

Visualmente o filme é lindo. Porém é obcecado com vermelho, e sangue, e coisas que parecem sangue, ao ponto de ser irritante. Eu já entendi! Você provavelmente pode contar nos dedos as cenas que a Tilda não está suja de sangue, ou tinta vermelha, ou limpando sangue, ou tinta vermelha, ou qualquer outra coisa vermelha. Parece que a diretora passou muito tempo pensando “O que mais é vermelho no mundo?”, quando ela devia estar pensando como seria ter um filho que matou outras crianças, na vida real, e não em “O bebê de Rosemary”; Esse também é uma adaptação, e eu não sei se o livro também é tão irreal, mas acho que Lynne Ramsay perdeu uma grande oportunidade de fazer um filme relevante.

The Adventures Of TintinAs Aventuras De Tintin

Roteiristas: Steven Moffat, Edgar Wright, e Joe Cornish
Diretor: Steven Spielberg
Elenco: Jamie Bell, Andy Serkis e Daniel Craig
Sinopse: O Capitão Haddock e Tintin, um intrépido repórter se lançam
em uma caça ao tesouro de um návio comando por um ancestral de Haddock.

Outra adaptação e outro filme que não curti, yay! Mas esse aqui foi mais culpa minha. Eu nunca gostei muito de filmes de aventura, então não sei porque estava esperando que esse fosse diferente. Não que o filme seja ruim, acho que é até um bom filme de aventura, mas não faz meu tipo.  Mas pelo menos valeu o preço a mais pelo ingresso 3D, porque essa parte é maravilhosa. Tem ótimas cenas de ação, transições e o Spielberg usa a cãmera virtual como ninguém. O filme também é bem engraçado, do jeito mais tradicional possível. Na verdade eu queria muito ter assistido esse filme quando era criança, aposto que teria amado, mas no momento, foi só 0k.

The Twilight Saga: Breaking Dawn - Part 1A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 1

Roteirista: Melissa Rosenberg
Diretor: Bill Condon
Elenco: Kristen Stewart, Robert Pattinson and Taylor Lautner
Sinopse: Os Quileutes pressionam Edward e Bella, cuja criança prestes
a nascer significa uma ameaça ao bando de lobisomens e às pessoas de
Forks.

Agora esse é um filme ruim. E eu não estou dizendo isso só porque é Crepúculo, esse filme é horroroso até quando comparado com os outros da franquia. O único jeito de tirar algum proveito desse filme é não levá-lo nem um pouco à serio e simplesmente morrer de rir do nível de tosquice presente na tela. Dividir o último livro em dois, pra começar, já foi uma idéia péssima, não tem estória suficiente pra isso, e o roteiro não faz nada pra tentar corrigir esse problema. Então o que temos são breguíssimas cenas de sonho e um conflito ainda mais em graça do que os outros. E isso porque nem comecei a falar das conversas entre os lobisomens. Eles queriam que eu acreditasse que aqueles lobisomens de CGI com voz de Batman teriam coragem de matar um bebê? Sério?

E você, o que assistiu essa semana?

—{—}—

*

I actually watched these movies a million times ago, but never got around to translating the post to portuguese and it has been in limbo for a long time now. But it has finally seen the light! And just in time for a week where I haven’t watched any movies.  As always mild spoilers ahead.

The DescendantsThe Descendants

Writers: Alexander Payne, Nat Faxon, and Jim Rash
Director: Alexander Payne 
Stars: George Clooney, Shailene Woodley and Amara Miller
Summary: A land baron tries to re-connect with his two daughters after
his wife suffers a boating accident.

I feel a little weird about this one. And I don’t even know why! I guess I was expecting something different from this movie. I’m not sure what, exactly, but something different. So at the beginning of the movie I was a little disappointed. I couldn’t quite figure out the point of the movie, or something like that. It seemed a little aimless. Oh, but this is a sneaky one. When you least expect you are just THERE, you know? right in the mindset of the characters.

In some ways this is pretty much the opposite of 2 Coelhos. This is one of the un-flashiest movies I’ve watched this year, even though it takes place in Hawaii. Everything is very relaxed and the plot is very simple. And even so, it works. it just works. And I think that a huge part of that is due to the cast. Everyone is so good in this movie, so authentic that you can’t help but became entangled in these character’s lives. George Clooney turned in another amazing performance, curiously by toning down the charm a bit.

Shailene Woodley is also very good and the breakout performance, for sure. I didn’t like her all that much in The Secret Life Of The American Teenager, but I guess that with a script that bad there isn’t much you can do. Here she’s a lot better (more foul-mouthed too), and plays a teenager that feels real, without all the Hollywood affectations, and without being annoying just for the sake of it.

I also had a very interesting theater experience with this one. People were laughing a lot (at least a lot more than me), sometimes even yelling things at the movie. It just seemed sorta odd to me that people would react so much to such a low-key movie, but maybe I had a rowdy crowd, who knows, right?

The Girl with the Dragon Tattoo The Girl With The Dragon Tattoo

Writers: Steven Zaillian
Director: David Fincher
Stars: Daniel Craig, Rooney Mara and Christopher Plummer
Summary: Journalist Mikael Blomkvist is aided in his search for a
woman who has been missing for forty years by Lisbeth Salander, a
young computer hacker.

I had very high expectations with this one, especially after The Social Network, and all the cool teaser photos and videos released last year. The movie definitively delivered on the visual side of things, but I found it a bit lacking on the script side of things. I guess we can’t have Aaron Sorkin writing every movie. I know a lot of the problems come from the novel, so I guess they would have to change a lot of things to make this movie great, and I’m sure a lot of fans would’ve been very unhappy, but I wish they did just that.

Because really the only great part of this movie is Lisbeth Salander, and I wish the movie was a lot more about her, and not about some murder mystery. And that’s coming from a person that read every Agatha Christie book in my school’s library. The murder story is ok, I guess, but it’s nothing new, and the investigation is not even that exciting. Daniel Craig does everything to make Mikael Blomkvist interesting, and it’s even successful in some moments, but he has really little to work from here. The relationship between the two of them is another missed opportunity. Why make it so nonchalant and out of the blue? It takes away a lot of the strength of the ending, because it’s so undefined.

But I still think this movie is worth seeing, not only for the beautiful images but also for some really great scenes from Rooney Mara. She really own this film, and carries it like if it was nothing. Every time she’s on-screen you can feel both the tension and the vulnerability, she can be frail and bad-ass at the same time without it feeling the least bit forced. I also warn you that there’s some really hard to watch scenes on this one, it is not for those with a weak stomach. I wish they delved a bit more into her mental health issues and her upbringing, especially because I think they could’ve drawn some parallels from the murder case to help us understand Lisbeth better. There’s a promise of a second movie s this franchise, so I’m hoping they will do a better job in te next one, for now, it’s just a solid movie with a kick ass main character.

We Need To Talk About KevinWe Need To Talk About Kevin

Writers: Lynne Ramsay and Rory Kinnear
Director: Lynne Ramsay
Stars: Tilda Swinton, John C. Reilly and Ezra Miller
Summary: The mother of a teenage boy who went on a high-school killing
spree tries to deal with her grief - and feelings of responsibility
for her child's actions.

This one is unfortunately another disappointment, I’m starting to sense a theme here! The problem with this one is that is trying to sell itself as character study when it’s really a horror movie. Because that’s really the only way this movie can be categorized. I wish it was study on how a mom would react if her kid was a murderer, on why this kid became a killer, and this sort of thing, but the movie just goes to the most easy place possible: He’s evil! He is apparently the devil’s child ever since he was a baby, manipulating parents and turning his mom’s life into hell.

To give credit where its due, the movie does has some moments where it tries to imply that Tilda Swinton’s character is not such a great mom, and that she maybe has a bit of the blame, but Kevin is just so evil, all the time that it’s just not realistic at all. The actors try very hard to make these characters into real people, and I like all the performances here, but the script just doesn’t go where it needs to go.

Visually the movie is beautiful. But it is obsessed with red, and blood, and things that look like blood to the point that it starts to annoy you. We get it! You can probably count on both hands the number of scenes where Tilda Swinton is not dirty with blood, or red paint, or cleaning blood, or red paint, or red things. It seems the director spent a lot of time thinking, “What else is red in the world?” when she should’ve been thinking what is like to have a son that murdered other kids, in real life, and not on Rosemary’s Baby. This is one is also an adaptation, so I don’t know if this book is this unrealistic, but I think Lynne Ramsay totally missed out on making a relevant movie.

The Adventures Of TintinThe Adventures Of Tintin

Writers: Steven Moffat, Edgar Wright, Joe Cornish
Director: Steven Spielberg
Stars: Jamie Bell, Andy Serkis and Daniel Craig
Summary: Intrepid reporter Tintin and Captain Haddock set off on a
treasure hunt for a sunken ship commanded by Haddock's ancestor.

Another adaptation, and another movie I didn’t love, yay! But this one was really my fault. I never liked adventure movies all that much so I don’t know I was expecting this one to be different. Now, I’m not saying that the movie is bad, it’s a pretty good adventure movie, but it’s just not my cup of tea. But if you can, please watch it in 3D, because this part is just amazing. They have some awesome set pieces, transitions, and Steven Spielberg works that virtual camera like no one else. The movie is also very funny, in the most earnest way possible. I actually wish I could’ve watched this one as kid, I bet I would’ve loved it, but right now, it’s just not my thing.

The Twilight Saga: Breaking Dawn - Part 1The Twilight Saga: Breaking Dawn – Part 1

Writers: Melissa Rosenberg
Director: Bill Condon
Stars: Kristen Stewart, Robert Pattinson and Taylor Lautner
Summary: The Quileutes close in on expecting parents Edward and Bella,
whose unborn child poses a threat to the Wolf Pack and the towns
people of Forks.

Now, this a bad movie. And I don’t mean it’s bad just because it’s Twilight, this movie is very bad even if compared with the other too. The only way to enjoy this movie is o not take it seriously at all and just laugh your socks off at the level of suckitude on screen. Splitting the last book into 2 movies was a terrible idea to start with, there’s just not enough story here, and the script does nothing to try and fix this problem. Instead we get cheesy dream sequences and a conflict that has even less stakes than the previous ones. And that’s because I haven’t even talked about the conversations between the wolves! They wanted me to believe that those CGI wolves with batman voices would kill a baby? Really?

And what about you? What did you watch this week?

Posted in: Film